Não me lembro de ter postado essa…

É pra ficar marcado
Que nem queimadura na pele
Que nem gado do pasto
Que nem mancha de manga
Pra nunca mais sair

É pra ficar cravado
Que nem cravo no braço do ladrão
Que nem arame farpado na pele, rompendo
Que nem o pau marcando a fronteira
Pra ninguém tirar, derrubar

Pode parecer que dói, só pode
Pode parecer que machuca, só machuca
Mas você não sabe, nem imagina
Que quer tudo isso
Do sentimento mais puro, mais simples

É pra ficar plantado
Que nem placa de trânsito
Que nem figueira, imóvel
Que nem gente feito de boba
Pra não mais se mover
Ficar!

É pra ficar enfincado
Que nem poste no chão
A espada do samurai
A bala que entra
Mas não sai

Pode ser duro, o dizer
Pode parecer feio, sujo
Água de poça
Barro no chão
Vergonha própria

É pra doer
Que nem a topada do dedo
Que nem o soco que veio, veio e foi
Que nem a palavra
A palavra que derrota
Explode!

Que faz você se levantar, levantar
E não querer voltar
Mas faz você entrar, entrar
E não ter como sair
Estranho?
Mais simples que você imagina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s