De cadernos desfolhados 2

Um arsenal de palavras incompáravel
Do dicionário eu decorei do A ao Z, do inesquecível ao memorável
Do inesquecível que ninguém esquece
A primeira namorada, o primeiro emprego ou a primeira bola de chiclete
Do memorável que insiste em viver em nossas memórias
O primeiro beijo, a primeira professora ou a grande primeira vitoria
Continuo tentando escrever meu nome nas paginas do grande livro da História
Onde um nome que fica marcado nem mesmo a borracha divina apaga suas glórias
Todavia sei que sou apenas um amador que nem um decente freestyle consegue elaborar
Porém no papel é diferente
Mais rápido que o Flash; mais sagaz que o Batman; mais forte que um tal de Clark Kent
Mas quente fica mesmo quando o bicho pega
Quando a imaginação começa a fluir, as palavras começam a vir
Igual no infinito espaço negro peças de Tetris tendem a cair
E ninguém sabe a que ponto isso vai chegar
E um ponto que quero que demore é o final da minha caminhada
E se a morte vier me procurar, ela que fale com minha secretária
Pois somente atendo aos outros com dia e hora marcada
Então vira essa boca pra lá e deixa eu continuar
“Nessa longa estrada da vida” como diria a canção
Pois depois dessa viagem eu não sei se existe
Game Over ou pode haver continuação
E continuação eu quero das palavras de um certo cidadão
Que de complicado fez simples e sempre acompanhado por pessoas por todos os lados fez minha vida parecer um quadro pintado de ponta cabeça pendurado (que pirado!)
Tento oferecer toda qualidade nas palavras que por mim são proferidas
Selo do InMetro, ISO 9001 e a benção de Nossa Senhora Virgem Aparecida
No cartório protocolado com carta registrada, firma autenticada
Pois procuro fazer das minhas rimas um passeio de limousine por Beverly Hills
Ou então a cura daquela maldita azia tratada com um santo Estomazil
Encontrado no fundo da gaveta e agradecido à força divina de sua preferência
“Obrigado tal força por maravilhosa beleza!”
Pois cada um na sua, sabe como que é…
Contudo eu agradeço de coração e gratidão se você levantar da cadeira e me aplaudir de pé (clap! clap! clap!)
Mas só aplauda se achar decente e coerente
Que de coisas ruins a sua vida tá cheia
E não quero ser mais um que no seu ouvido
Desgraças e falácias semeia
E como todo espetáculo eu anuncio que este chega ao fim
Porém pode ter certeza que essa fase terá uma parte dois
Pois eu uso Memory Card para acabá-la logo depois.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s